quarta-feira, 29 de abril de 2009

PARTO DOMICILIAR -MITOS E VERDADES

Durante a última Roda Bem Nascer tomei algumas anotações na palestra da enfermeira Mirian Rego, sobre Parto Domiciliar - Mitos e Verdades. Agora, divido com vocês.

"Onde ter o meu filho?
Pode-se afirmar que é o lugar onde se sinta mais segura. Na casa de parto, na maternidade. Recomenda-se que seja o lugar mais próximo da sua casa e da sua cultura. A escolha é pessoal. Escolha onde se sinta segura."

A enfermeira, que é também integrante da ong Bem Nascer, salientou que para realizar um parto em casa, precisa ter um centro de referência, parteiras integradas ao sistema de saúde. Acentuou uma vantagem: no parto domiciliar as mulheres são submetidas a menos intervenções.

Em julho de 2005, o Ministério da Saúde definiu a Política Nacional de Atenção Obstétrica e Neonatal, que preconiza um atenção qualificada e humanizada, onde a mulher tem autonomia e é a protagonista do processo. Em 1998, foram criados os centros de parto normal, com regulamentação própria. O documento recomenda a co-responsabilidade e compartilhamento de decisões com as usuárias. Por exemplo, na aplicação da ocitocina sintética, na aplicação de anestesia, na episiotomia. A respeitar a escolha da mulher sobre o local e a posição de parto.

História das Casas de Parto no Brasil
Data e Local de Fundação:
Setembro de 1998, Casa de Parto de Sapopemba, São Paulo.
Setembro de 2000, Centro de Parto Normal David Capistrano, junto ao Hospital Sofia Feldman, em Belo Horizonte.
Em março de 2002, a Casa de Maria, junto ao Hospital Santa Marcelina, São Paulo.
Em março de 2004, a Casa de Partos de Realengo, no Rio de Janeiro.
E a Casa de Partos de Juiz de Fora, que foi fechada.

Mirian Rego citou o resultado da tese da enfermeira obstetra Sibylle Vogt Campos, sobre a Casa de Partos do Sofia Feldman:
Em 2117 partos:
Transferência materna da casa de parto para o hospital: 11,4%
Cesárea - 2,2%
Taxa Apgar 7 no quinto minuto, 1%
Alta taxa de satisfação materna.

Mirian fez também um levantamento dos partos assistidos pelo grupo de dezembro de 2002 a 2009. Elas atenderam 21 gestantes. Destas:
12 foram partos naturais sem intervenções.
1 foi parto pélvico, no Sofia Feldman.
4 - parto vaginal, sendo 2 com anestesia.
Todos os partos foram em feitos em posições verticalizadas:
sentadas, de cócoras, de joelho, de gatinho).
Sempre com a presença do parceiro.
Sem episiotomia.
Os nenês nasceram bem.
Reparo perineal de primeiro e segundo graus.
Todos mamaram assim que nasceram.

A enfermeira obstetra contou que na Alemanha toda gestante tem uma enfermeira obstetra e os médicos não podem atender sem elas. Que diferença do nosso sistema, centrado no médico. Yuri Fujita salientou que em um ambiente hospitalar pode haver influência sobre a mulher na produção de ocitocina. Cleise Soares lembrou que o obstetra francês Michel Odent, referência mundial em humanização do nascimento, disse o ano passado, em congresso na Associação Médica, que a ocitocina é um hormônio tímido e só se apresenta em locais propícios. Ou seja, diante do excesso de luzes e barulhos e do ambiente mais preparado para cirurgias, com a equipe médica em seus jalecos e máscaras, a mulher se sente inibida e não tem contração e não tem dilatação etc etc et demandando muito mais procedimentos invasivos e iatrogênicos (que causam dores não inerentes ao parto- cortes, suturas, costuras, remédios). A experiência mostra que os partos domiciliares são mais rápidos e indolores.

A Organização Mundial da Saúde, em documento de 1996, recomenda o parto domiciliar em casos onde não hajam riscos para a mãe e o filho.Os partos domiciliares são planejados. As enfermeiras levam os instrumentos para primeiros socorros e deixam a ambulância de prontidão. No caso desta equipe, contam com a retaguarda do Hospital Sofia Feldman. O registro do nenê é feito depois no cartório, com a presença de duas testemunhas.

Um comentário:

  1. gente me ajuda....to muito nervosa!
    estou gravida de oito meses, e na verdade estou com medo da maternida na qual pretendo ter o bebe.
    cheguei ao rio tem pouco tempo e nao me sinto segura em relaçao ao local do parto, vi uma reportagem sobre parto domiciliar e emfermeiras obstetras, e me interessou bastante!
    gostaria de saber onde conssigo mais informaçoes, como lugares numeros de telefones e etc....

    me ajudem por favor

    obrigado

    ResponderExcluir