terça-feira, 6 de julho de 2010

MATERNIDADE INAUGURA QUARTO PPP

HOSPITAL DA UNIMED SAI NA FRENTE

O hospital da Unimed, localizado na Barroca, saiu na frente e acaba de inaugurar um quarto PPP. Um quarto para acolher a gestante no pré parto, parto e pós parto. O evento aconteceu com o nascimento de Yasmim, filha da Érica Oliveira, sob os cuidados da obstetra, Gisele Maciel e da doula Isabel dos Santos.O grande momento contou também com a presença da enfermeira obstetra, Odete Pregal (Risoleta Neves), de passagem em visita à Gisele.

O quarto parece um quarto normal, mas guarda um painel discreto com todos os aparatos de primeiros socorros. Conta com uma cama reclinável, que permite a mulher ficar na posição sentada, a bola de Bobat, a escada de Ling e o chuveiro. Tem espaço para deambular à vontade e – segundo Izabel – é possível colocar até uma banheira inflável, já que é espaçoso.

O inédito é que os procedimentos pós parto foram humanizados. O nenê não saiu de perto da mãe, foi apenas limpo (sem banho, para preservar o vérnix, considerado uma vitamina K natural). Depois do contato pele a pele, olho no olho, a avó é que levou a criança para pesagem pela pediatria, já que o quarto foi inaugurado naquele dia e ainda não contava com a balança. Então, os procedimentos acontecerão no próprio quarto. Eles perguntaram para Isabel: quem é você? Sou uma doula. O que é isso? E ela se sentiu “o máximo” por que não tive que esconder e fui muito bem acolhida”. E deu para o JBN o relato da sua experiência:

Um Parto Sem Dor

“O hospital todo ficou em polvorosa.Todos os funcionários perguntavam o que estava acontecendo, ninguém sabia o que era um quarto PPP. Os procedimentos exigiram ocitocina artificial, devido a problemas de pré-eclâmpsia. Érica, com dilatação de 7 cm, não se queixava de dor, mesmo com alta dosagem do soro. Pediatras, enfermeiros e outros da equipe foram ao quarto presenciar o parto natural.

Contato Pele a Pele

“As luzes foram apagadas e acesas luzes de penumbras, colocadas no rodapé do quarto. O período expulsivo durou cerca de 2 horas. O nascimento foi a coisa mais linda! A equipe atônita, sem entender, porém respeitando aquele parto diferente, fizeram silêncio e, quando nasceu, Ohhhh!!!!!, houve uma movimentação e a pediatra respeitosamente acompanhou o bebê junto à mãe durante o contato pele a pele. Somente depois, pegou o bebê e o colocou no bercinho aquecido, ao lado da cama. Sem invasão, sem procedimentos de rotina. Foi tudo encantador!

Uma Nova Pediatria

A pediatra dizia: “agora eu entendo”, percebendo que não só com a mãe, mas também com o nenê é só “assistir” ao parto. Nasceu Yasmin, as enfermeiras ficavam perguntando uma para a outra: o que fazer agora? Quais os procedimentos, diante daquele fato totalmente novo que acontecia ali? Ficavam andando de um lado para o outro, impactadas. O quarto passou a receber visitas dos técnicos de enfermagem, os residentes, todos querendo saber informações sobre o que estava acontecendo.Érica foi muito elogiada por todos presentes, pela sua força no ato de parir. O quarto vai atender também a enfermaria. A assessoria de imprensa da Unimed se interessou e foi cobrir o acontecimento. Parabéns ao Hospital da Unimed pela iniciativa e demonstração de respeito às demandas das mulheres e ao trabalho da doula, que em outros hospitais ainda não são reconhecidas como integrantes da equipe multidisciplinar.”

UNIMED atende orientações da ANVISA

“Esta mudança no hospital da UNIMED é fruto da RDC 36, resolução da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) que dispõe sobre Regulamento Técnico para Funcionamento dos Serviços de Atenção Obstétrica e Neonatal. O obstetra João Batista de Oliveira participou da elaboração desta resolução como consultor do Ministério da Saúde”, informou a enfermeira obstetra, Mirian Rego, também integrante da ONG Bem Nascer e uma das idealizadoras do Movimento BH Pelo Parto Normal. A ANVISA recomendou:

O Serviço deve permitir a presença de acompanhante de livre escolha da mulher no acolhimento, trabalho de parto, parto e pós-parto imediato .Promover ambiência acolhedora e ações de humanização da atenção à saúde. Adotar o alojamento conjunto. Oferecer ambiente confortável no pré-parto e orientações claras sobre procedimentos. Garantir a privacidade da parturiente e seu acompanhante. Proporcionar condições que permitam a deambulação e movimentação ativa da mulher, desde que não existam impedimentos clínicos; acesso a métodos não farmacológicos e não invasivos de alívio à dor.

Garantir à mulher condições de escolha das diversas posições durante o parto, desde que não existam impedimentos clínicos. Estimular o contato imediato pele a pele da mãe com o recém-nascido, favorecendo vínculo e evitando perda de calor. Possibilitar o controle de luminosidade, de temperatura e de ruídos no ambiente. Estimular o aleitamento materno ainda no ambiente do parto. Garantir que o atendimento imediato ao recém-nascido seja realizado no mesmo ambiente.O documento garante que a Vigilância Sanitária (VISA) fiscalizará todas as maternidades (públicas e privadas) para garantir o cumprimento desta resolução.

AGUARDEM A MÃE LIBERAR AS FOTOS, TIRADAS PELA DOULA IZABEL.

3 comentários:

  1. Que boa notícia! Parabéns para UNIMED! Temos que valorizar iniciativas assim!

    ResponderExcluir
  2. Olá blogueiro,

    Dê ao seu filho o que há de melhor. Amamente!

    Quando uma mulher fica grávida, ela e todos que estão à sua volta devem se preparar pra oferecer o que há de melhor para o bebê: o leite materno.

    É muito importante, tanto para o bebê como para a mãe, amamentar até os dois anos de idade ou mais. O leite materno é o único alimento que o bebê precisa, até os seis meses. Só depois se deve começar a variar a alimentação.

    Acontece que nem todas as mães sabem de todos esses benefícios e deixam de amamentar mais cedo. Você pode ajudar nessa campanha divulgando materiais e informações por meio do seu blog.

    Caso se interesse, entre em contato com comunicacao@saude.gov.br e participe.

    Obrigado pela colaboração!

    ResponderExcluir