domingo, 28 de outubro de 2012

Que delícia a RODA BEM NASCER

Ontem retornamos com a Roda Bem Nascer, coordenada por mim e Roseanna Soares. Esta Roda, originalmente feita no Centro de Educação Ambiental/CEAM, do Parque das Mangabeiras está temporariamente em outro domicílio, já que a prefeitura nos despejou, exigindo o pagamento de R$ 118,00 a hora para uso do local. Como somos todos voluntários e não temos recursos para pagar cerca de R$ 472,00, já que ficamos por lá 4 horas; migramos para esta sala na av. João Pinheiros e batizamos de RODA BEM NASCER LIBERDADE.

Que alegria!

Fiquei muito feliz de voltar a receber as gestantes sedentas de informações e ajudá-las a traçar caminhos favoráveis para seus partos. Tivemos a presença de clientes da Dra. Quésia Tamara e Dr. Hemmerson Magioni, do Núcleo Bem Nascer, nossos parceiros, que escolheram ter um parto hospitalar no sistema privado, com uma assistência de obstetra da linha humanista. Outras três usuárias ali presentes se preparam para ter seus partos no SUS eficiente, o Hospital Sofia Feldman. Não querem investir dinheiro e sonham com o parto na água.

Falamos sobre Assistência Humanizada ao Parto. Mostramos as aberturas e os limites impostos pelas instituições, que transformam o parto, este momento mágico, em um momento mecânico, tecnicista, intervencionista. Como blindar isto tudo? Se você tiver com um médico adepto das boas práticas e que se baseia em evidências científicas, será protegida, na medida do possível, dos desrespeitos da instituição.
Onde encontrar em Belo Horizonte ambiência adequada para o parto. Informamos que temos o Hospital Dia da Unimed, que conta com quarto PP (onde a mulher fica no mesmo ambiente no pré-parto e parto), mas é usado apenas por alguns médicos da cidade. O Hospital Mater Dei tem se mostrado aberto a receber estes médicos e suas clientes mais exigentes; eles têm levado banheiras infláveis  para que as mulheres possam se sentar e relaxar durante o trabalho de parto. Os partos ali são feitos no PP. O Santa Fé, pelas notícias que temos, ainda continua levando as mulheres para o bloco cirúrgico e o PP está lá para a Anvisa ver. Os médicos mais conscientes que atuam ali, lutam contra uma grande corrente contrária de médicos mais tradicionais.

O direito de escolha

Acentuamos para às usuárias das nossas Rodas, que a escolha do parto é sua. Que cada mulher tem a sua peculiaridade. Algumas querem o parto na rede privada com médicos humanistas, outras querem ter seus filhos em domicílio com a assistência de enfermeiras obstetras; outras tantas preferem ir para o Hospital Sofia Feldman terem seus filhos na água, assistidas também pelas enfermeiras obstetras... É preciso olhar para dentro, ver o que desejam de mais íntimo. O que nos daria segurança? Como escolher o acompanhante? O pai é sempre bem-vindo, mas há que respeitar o seu limite. Se ele estiver muito tenso ou cansado, pode ser convidado a ir lá fora respirar e uma doula, ou amiga, ou mãe pode assumir o papel da companhia, já que é permitido por Lei apenas um acompanhante. Uma doula pode ser a solução para  as que vão ter seus filhos na rede privada. Importante é ter afinidade com a pessoa ao seu lado. "Eu quero o meu marido, estamos há tantos anos juntos! Como fazer afinidade com uma doula apenas antes e no parto?"
"Eu quero a doula, acho que ela ajuda muito neste momento!"


Uma das gestantes comentou que nunca tinha pensado sobre posição de parto. Expliquei sobre as evidências científicas para parto de cócoras. Sempre gosto de comentar com elas: queria soltar vocês no mato e ver se deitariam com a perna para cima para parir. Com certeza, agachariam. É a posição mais natural para a mulher. Mas, não temos este direito em todos os hospitais e com a grande maioria dos médicos. Aqui em Belo Horizonte você só terá acesso a parto de cócoras com alguns médicos, talvez encham apenas uma mão de adeptos e, no SUS, só no Hospital Risoleta Neves e Hospital Sofia Feldman.



Decisão Compartilhada

Esta escolha tem que ser feita em conjunto com seu companheiro, que também é protagonista deste evento. Tem que ser uma decisão compartilhada. "Queria na água, mas meu marido não quer nem pensar" - disse uma das gestantes na Roda. Então, será que seria melhor uma segunda opção? Duas delas estavam migrando de suas ginecologistas/obstetras, com as quais mantêm vínculos, para outros médicos, que atendem melhor às suas expectativas. A dúvida era: como falar com a outra médica? A resposta mais sensata e com a qual todos na roda concordaram, era a verdade. Doutora, a senhora assiste a partos de cócoras? Faz episiotomia? Gosto muito do seu atendimento, mas estou desejando um parto diferente, a senhora não pode me atender. Volto assim que o bebê nascer, quero continuar com a senhora como  minha ginecologista.... Estas são decisões delicadas e questões pertinentes para a gestante que vão surgindo à medida que a roda vai rodando.

Chá de Bençãos

Aline Amorin, uma das mães presentes relatou seus partos anteriores, uma cesárea e um parto normal. Hoje está sonhando um parto na água e estuda a possibilidade de ir para o Sofia. Sua presença foi fundamental para compartilhar com as outras os detalhes do parto. Aline hoje é militante ativa da ong Bem Nascer e focaliza o Chá de Bençãos, que a instituição realiza para acolher estas mães pouco antes do parto, a partir de 38 semanas, com caminho e escalda-pés. Ela aproveitou e já pegou o contato das mães presentes, para oferecer no momento certo esta delicadeza criada pela ong Bem Nascer.

Expliquei para as mães que querem parir no Sofia como é o pós-parto. Para o parto, terão acesso ao quarto PP. Quartos amplos, coloridos e com banheira. Terão o auxílio de doulas comunitárias e voluntárias que ali atuam dando conforto às parturientes. Poderão ter o parto na água, no chuveiro ou na banheira, agachadas no banquinho ( este banquinho é oferecido pela equipe do Núcleo Bem Nascer, na rede privada), sentadas na cama recostada... O parto ali é realmente da mulher e o seu protagonismo é respeitado. A quebra pode acontecer no pós- parto, quando a mãe vai para uma enfermaria que tem entre 6 e 8 pequenos boxes, separados por biombos. Sempre alerto as mulheres acostumadas a privilégios de convênios, tem que ter humildade para estar no coletivo do SUS. Uma delas ali presente relatou que sua cunhada tinha esta preocupação, mas que adorou, porque inclusive foi muito ajudada pelas outras mães. Comentei que no meio mais simples, tudo é muito mais descomplicado.

"Esta roda é tão diferente, fui em outras e em outros cursos. Vocês são muito tranquilas e sensatas. Adorei. Saí daqui tão respondida em minhas dúvidas e vocês não me pressionaram nem para um atendimento mais convencional, nem para outro mais alternativo. Gostei, vou voltar mais"
Entramos no Parque em 2004. Este folheto comprova  que estávamos lá em 2005.
Fazíamos parte de um projeto de educação ambiental, abordávamos a ecologia do nascimento.
Será sempre bem-vinda!

Ficou acertado de comunicarmos onde será a próxima Roda Bem Nascer. Torcemos para voltar ao Parque das Mangabeiras, onde estamos desde 2004.








Nenhum comentário:

Postar um comentário