segunda-feira, 31 de agosto de 2009

NA RODA BEM NASCER:DICAS VALIOSAS PARA AS MAMÃES DE PRIMEIRA VIAGEM!


A nossa Camila com a querida Diana, ainda exclusivamente no peito.
Queridas companheiras,

Mais uma Roda BEM NASCER, mais uma troca gostosa e enriquecedora. A nossa palestrante Rielma Souza pensou que não podia levar crianças: “e o que estou vendo é nenê, criança pisando no chão em biscoito, chorando...” Uma Roda verdadeiramente de mães e filhos.

A RODA do último sábado, dia 29 de agosto de 2009, contou com a presença de mais de dez crianças, dentre elas vários bebezinhos. Estava lá pela primeira vez o Mateus da nossa querida enfermeira, Renata, ainda se adaptando ao sling. Pincelei alguns trechos da nossa conversa e dos depoimentos das mães presentes.

A nutricionista Rielma Souza fez uma palestra sobre Primeiro Alimento; fiz um pequeno resumo ao final.

“Eu quero um parto como o da Carol Raton, pensava. Trabalhei a questão da dor, o que é a dor. Procurei ler experiências positivas e ouvir mulheres poderosas. Eu também posso. Como foi meu parto?
Foi construído. Foi lindo!. Fiquei seis horas na banheira, sai com as mãos enrugadas. Quando começou o trabalho de parto e eu pisei na água, relaxei imediatamente, viajei mesmo, milhões de pensamentos. Não é uma dor que marca, uma coisa muito suportável, divina mesmo! Nasceu. A coisa
“mais linda do mundo, o sol apareceu, exatamente como sonhei.”
(Renata)


“Depois de sete meses da minha primeira cesárea é que cheguei a conclusão que não havia sido uma decisão correta. No primeiro filho fiz muitos exames, ultra-sons, fazem a gente perder a confiança na gente. Confiamos mais na máquina, é da natureza tudo correr bem. Na segunda filha, queria ter em casa, parto domiciliar, mas a bolsa rompeu com 36 semanas...cesárea. Diante das circunstâncias, um cesárea bem indicada, legal. Da primeira não participei nada, deitei e deixei. Na segunda, sem o campo, vi ela saindo e, com a anestesia peridural senti que algo estava acontecendo no meu corpo e isso foi importante.”
(Polly)

Eu estava com um médico tradicional de São Paulo, quando fui a uma reunião da Maternidade Ativa e disse que acreditava que meu parto ia ser normal. Me perguntaram: você acredita em papai Noel? Fui atrás do médico: não quero episio, não quero tricotomia, quero andar, quero comer durante o parto...
O médico:
-Você é louca! Você não precisa de um médico. Você não quer nada que a Medicina pode oferecer. Então, falei para meu marido, você topa um parto domiciliar? Achava que era caro, descobri que era super accessível.
No dia anterior, me deu vontade de pular que nem sapo e foi o que eu fiz no quintal. Acordei com uma dorzinha ordinária na lombar. Não tinha ansiedade, estava preparada para horas e horas de dor. Pensei, não quero incomodar, só vou chamar as enfermeiras (Sibylle Campos e Mirian Rego) quando a bolsa romper.
Tomei banho, vieram duas contrações e o menino coroou. Sibylle: está apenas começando. Eu: não, Sibylle tem uma cabeça aqui. Ela: Meu Deus! Na próxima, o nenê nasceu.
(Kalu)

COM A PALAVRA, A NUTRICIONISTA RIELMA SOUZA

‘Hoje está ocorrendo muito a obesidade infantil. As células gordurosas são formadas no primeiro ano de vida. Antigamente, acreditava-se que criança gordinha é que era criança sadia. Quando a criança come além do que precisa, não sabe sentir o sinal da saciedade. Aqui em Minas tem se a mania de dar tudo para a criança, “para ela não aguar...”

“Recomendamos aleitamento exclusivo até seis meses. Alguns profissionais recomendam sucos aos três meses, mas aumenta o risco de problemas gastrointestinais. O leite materno amplia a defesa imunológica do bebê.

Uma refeição deve ter:
Cereais,
Tubérculos (inhame, cará, mandioca)
Carnes (a partir de seis meses)
Ovos
Leguminosas (feijões, lentilhas, soja)
Hortaliças
Frutas
Leite e derivados
Gorduras (óleos vegetais – o azeite ajuda na formação do cérebro
Sal e água.

UMA PAPINHA DEVE TER : 1 CEREAL, 1 HORTALIÇA, 1 CARNE, UM POUCO DE GORDURA VEGETAL E CHEIRO VERDE.”

A nutricionista recomendou que se ofereça alimentos, um de cada vez, para que a criança se acostume aos poucos ao novo sabor e também para detectar se ela tem alergia a algum alimento.

Recomendou também:
Usar alimentos orgânicos.
Não passar os legumes pelo liquidificador, nem na pineirinha, espremer os legumes com o garfo.

“Criança não precisa de açúcar, só a natural das frutas.
O pai às vezes atrapalha, chorou, fica dizendo - é fome. Deixar a mãe bem tranqüila, se ela fica tranqüila, a criança também acalma.”

Site Reomendado:
www.saude.gov.br/nutricao
Rielma Souza@yahoo.com.br


A Kalu passou a receita de Biomassa de Banana – vamos pedir para ela postar para nós no site da ONG. E também informou que mel só se dá para a criança a partir de um ano de idade.

Ao final, a coordenadora da Roda Mangabeiras, a jornalista Cleise Soares, disse que o tema “Primeira Alimentação” será explorado também por outros ângulos.

“A nutricionista Rielma abordou a Nutrição Tradicional. Muitas de nós já peregrinaram pelo Vegetarianismo, pela Educação Vitalícia e outras propostas e sabemos que também são viáveis. Dietas, por exemplo, que excluem a carne da alimentação, algumas até o leite da vaca... Teremos a oportunidade de retornar ao assunto e ampliar a nossa discussão. De início, temos uma referência oficial. Agradecemos muito a Rielma por sua carinhosa presença entre nós.


Um comentário:

  1. Cleide, gostaria de agradecer pelas palavras carinhosas e dizer que estou à disposição para futuras discussões, com temas mais específicos nessa área.
    Para mim foi um prazer estar com vocês..inclusive poder compartilhar um pouco de minha experiência não tão agradável em relação ao parto, mas foi bom ver que muitas experiências são exitosas e que, "posso" conseguir das próximas vezes.

    ResponderExcluir